terça-feira, 28 de agosto de 2018
Austin rebaixa os ratings das Cotas Seniores e Subordinadas Mezanino e afirma o rating das Cotas Subordinadas Júnior do Eletro FIDC; observação negativa removida
A Austin Rating informa que, no dia 15 de agosto de 2018, rebaixou, de ‘brA-(sf)’ para ‘brBBB+’, o rating das Cotas Seniores e, de ‘brB(sf)’ para ‘brB-(sf)’, a classificação das Cotas Subordinadas Mezanino do Eletro – Fundo de Investimento em Direitos Creditórios (Eletro FIDC / Fundo). Na mesma ocasião, o rating ‘brCC(sf)’ das Cotas Subordinadas Júnior do Fundo foi afirmado. A observação negativa sobre todas essas classificações foi removida, dando lugar à perspectiva estável. O rebaixamento dos ratings das Cotas Seniores e Cotas Subordinadas Mezanino do Eletro FIDC decorre (i) do aumento dos atrasos totais, que passaram de 30,6% do PL, no 4T17, para 46,3%, no atual trimestre, encerrando jun/18 em 48,6% do PL; e (ii) da inadimplência acima de 90 dias, que passou de 6,5% do PL, em fev/18, para 23,6%, em jun/18. No entendimento dessa agência e pelo perfil do Sacado/Devedor, atrasos superiores a 90 dias apresentam limitações de cobrança e recebimento pelo Fundo. Em complemento, o provisionamento subiu de 7,8% do PL, em dez/17, para 15,0%, em mai/18, recuando ligeiramente em jun/18, para 14,4%. Ademais, a subordinação total recuou de 89,1% do PL, em mar/18, para 81,8%, em jun/18, enquanto a participação somente das Cotas Subordinadas Júnior caiu de 52,5% do PL para 46,1% no mesmo período, recuo que se deu pela captação de Cotas Seniores no 2T18, no valor de R$ 2,5 milhões. A afirmação do rating ‘brCC(sf)’ das Cotas Subordinadas Júnior está fundamentada no entendimento dessa agência de que a presente classificação já reflete o atual perfil de risco de crédito de sua carteira de Direitos Creditórios, que não corresponde à situação de um default iminente, o que evidentemente não foi verificado, considerando a rentabilidade acumulada das Cotas Subordinadas Júnior apresentada no atual trimestre, de 10,9%, ante a desvalorização de 2,5% no trimestre anterior.